1 Vista sobre Esmirna da autoria de Alexandre de Laborde, 1838. Public Domain

A teoria cosmológica dos números, que Pitágoras aprendeu com os hierofantes egípcios, é a única capaz de conciliar a matéria e o espírito demonstrando matematicamente a existência de cada um destes princípios pela existência do outro.

Partilhar
1 Visão antiga do universo. Pubblico Dominio

No capítulo “A Teogonia dos Deuses Criadores” do volume de Simbologia da Doutrina Secreta de H.P.Blavatsky (1831-1891) lemos o seguinte: “Na Teogonia Pitagórica numerava-se e expressava-se numericamente as Hierarquias das Hostes Celestes e dos Deuses.”

Partilhar
Mount_Everest_as_seen_from_Drukair2_PLW_edit

Fragmentos do artigo Os Mistérios da Hebdómada. Doutrina Secreta Seção XI, Tomo IV, H.P. Blavatsky.

Partilhar
1 Manuscrito medieval da tradução latina de Calcídio do Timeu de Platão. Dominio Públ

O Timeu é um diálogo entre quatro personagens: Sócrates, Timeu, Crítias e Hermócrates. Certamente, é uma obra muito obscura, tanto pelos conceitos que utiliza, como pela sua linguagem simbólica, que, às vezes, nem se percebe como tal. Somente quando se comparam as ideias de Platão, a sua forma de entender o universo e o homem, se percebe até que ponto utiliza os símbolos.

Partilhar
naom_583d45ac67446

Apesar das contraposições que os espíritos estreitos quiseram ver entre ambas, a Poesia e a Matemática são irmãs gêmeas, porque tanto uma como a outra idealizam, embelezam e, analogamente, elevam tantas realidades concretas quantas as que integram as nossas existências; esta, abstraindo da realidade objetiva tudo o que se relaciona com o tempo, o espaço, o modo, a quantidade ou a força, de acordo com as famosas categorias kantianas; aquela, operando todos os tipos de generalizações harmónicas sobre qualquer facto real ou possível que ao dar-lhe Inspiração toma pretexto para levantar voo, e levamos, quase sem nos darmos conta, a todos os presentes, passados ou futuros, harmoniosamente conjugados pela lei do Símbolo ou da Analogia.

Partilhar
1 Melancolia I (Fragmento), Albrecht Dürer. Dominio Público.

Os quadrados mágicos, são figuras que contêm uma série de números ordenados de forma especial, foram tratados em outras épocas por grandes personagens como sendo algo mais do que apenas curiosidades matemáticas, sendo-lhes atribuídas influências terapêuticas que eram levadas em conta.

Partilhar
1 Templo de Phnom Bakhengis. Creative Commons. Recortada

Há números que são desde sempre sacralizados, como a Proporção de Ouro, ou o número que marca a relação entre a circunferência e o diâmetro (PI), outros pelo seu caráter enigmático, como o 137, o inverso da constante de fina estrutura, de grande importância na Física Quântica, e que vamos ver, e outros aos quais se atribui um título divino, como o número 108, que na Índia é chamado de “Shri 108”.

Partilhar
1 A Queda dos Titãs por Cornelis Cornelisz van Haarlem (1596-1598). Public Domain

O tema do caos, e como ele surge, com base num raio de inteligência, uma nova ordem, é um tema que preocupou seriamente todas as antigas civilizações.

Partilhar
1. uno

O número é a película invisível do Ser, enquanto que o corpo é a sua parte sensível. Todos os fenómenos naturais resultam de leis, e as leis manifestam-se através de proporções numéricas. Balzac dizia que “o movimento é um número que actua”.

Partilhar
Clonfert Doorway

Os Gnósticos primitivos defendiam que a sua Ciência, a Gnose, se baseava num quadrado, onde os ângulos representam respetivamente Sige (Silêncio), Bythos (profundidade), Nous (Alma Espiritual ou Mente), e Aletheia (Verdade).
Para eles todo o Universo, metafísico e material, estava contido dentro, e podia ser expresso e descrito pelos os dígitos do Número 10, a Década Pitagórica.

Partilhar